Pular para o conteúdo principal

Das Tripas, coração! Um nó de emoção.

Não adianta chorar o leite derramado. O povo fala demais, bom é saber calar até o tempo de falar. Quem jura é quem mais mente. Não é por muito madrugar que amanhece mais cedo. As melhores fragâncias estão nos menores frascos. A noite todo gato é pardo. Caiu na rede é peixe. Antes só do que mal acompanhado. Mentira tem perna curta. 
Tem muitos ditos populares, adiciona aí o seu...

Cervantes e Verne


Eu não sei com exatidão a idade que eu tinha na época, acredito que treze ou quatorze anos, estudava pela manhã, na hora do recreio eu subia para a biblioteca, não, eu não era um nerd! O setor disciplinar da escola fez umas recomendações, tipo umas terapias de grupo para as crianças acima do normal, lógico que eu era acima do normal, quer que eu diga o quê? Enfim, o que eu quero contar é sobre o meu encontro com Miguel de Cervantes, autor de Dom Quixote.

Calma, estou falando do encontro literário com Dom Quixote, o cavaleiro atrapalhado e paranoico junto com seu escudeiro gordinho e realista, foi o livro que mudou a minha forma de ler. Depois dele eu queria mais como ele, a partir de então a leitura virou uma prática.

O que tanto me impressionou além da história em si, foi a criatividade do autor, desde então isso é o maior atrativo para mim. As obras de Julio Verne são incríveis desse ponto de vista, a mais de cem anos atrás, Verne escreveu sobre coisas impossíveis e que não existiam em sua época, porém, anos depois aconteceram ou se tornaram possíveis. Verne escreveu sobre viagem a lua, viagem ao centro da terra, a volta ao mundo, submarinos e viagens ao fundo do mar, entre outros escreveu uma aventura que se passa na Amazônia brasileira, apesar de Verne nunca ter vindo ao Brasil, “A Jangada”, publicado em 1880, na história uma cidade flutuante é construída.

Inúmeros autores se destacam nesse sentido, são criadores do inimaginário e construtores de fantasias, senhores de mundos de aventuras. Cervantes e Vernes são apenas dois nessa “Academia de Autores Mundiais”, quem sabe um dia terá um Ramada entre eles.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pirralho

Centenas de dias haviam se passado, mas a bermuda era a mesma, jeans azul totalmente desbotada, rasgada nas coxas, o zipper não fechava mais, os bolsos furados. A camisa, essa ele evitava vestir o quanto pudesse, só tinha uma que havia roubado a poucos dias, a anterior já estava imprestável. A idade? Treze ou quatorze uma coisa assim, não fazia muita diferença, pra ele o que importava era viver o hoje. Pela manhã ficava por perto da padaria, fazia aquela cara de fome e sempre tinha alguém que dava um pãozinho, um salgadinho, uma coisinha assim. Viciado? Claro que sim. Na rua sem cheirar e sem fumar como é que vive? No semáforo ganha uns trocados mas tem que ficar esperto, não pode ficar com dinheiro graúdo, esses ele escondia lá no terreno baldio, atrás da casa abandonada dentro de uma lata, bem no canto do muro onde o mato cresceu e ficou bem alto. Pirralho, esse apelido é porque parece que não cresce, não se sabe se é genética ou desnutrição. O coitado é magro que as costelas parece…

Perceber e Observar

"Aquela lanchonete sempre esteve ali?"
Alguma vez aconteceu algo parecido com você? Em seu caminho diário, de repente, apareceu um estabelecimento que você jurava que não existia. Num ambiente comum, tem algo que você nunca observou, ou mesmo na pessoa que convive com você diariamente, uma característica que você nunca tinha notado.

O poder de percepção e observação é diferente em cada um de nós, parece óbvio, só que nem tanto assim, basta contar uma história e perceberemos como ela se propaga, as pessoas que a replicarão podem até jurar que estão contando a mesma história, raramente será.

As pessoas, as circunstâncias, os caminhos, as características, o horizonte, contar uma história exige muita percepção do todo e observação dos detalhes. Aquele livro imenso e no fim você tem a sensação de que poderia ter finalizado muitas páginas antes, ou aquele que terminou rápido demais, são no mínimo falhas de percepção de quem escreveu.

Um bom escritor precisa ser um bom observador,…