Pular para o conteúdo principal

Perceber e Observar

"Aquela lanchonete sempre esteve ali?"
Alguma vez aconteceu algo parecido com você? Em seu caminho diário, de repente, apareceu um estabelecimento que você jurava que não existia. Num ambiente comum, tem algo que você nunca observou, ou mesmo na pessoa que convive com você diariamente, uma característica que você nunca tinha notado.

O poder de percepção e observação é diferente em cada um de nós, parece óbvio, só que nem tanto assim, basta contar uma história e perceberemos como ela se propaga, as pessoas que a replicarão podem até jurar que estão contando a mesma história, raramente será.

As pessoas, as circunstâncias, os caminhos, as características, o horizonte, contar uma história exige muita percepção do todo e observação dos detalhes. Aquele livro imenso e no fim você tem a sensação de que poderia ter finalizado muitas páginas antes, ou aquele que terminou rápido demais, são no mínimo falhas de percepção de quem escreveu.

Um bom escritor precisa ser um bom observador,…

Um lepo no Legado


Eu quase não sonho devido o meu sono ser interrompido muitas vezes a noite, assim, quase sempre acordo cansado. Problemas técnicos na minha máquina de sonolência.
Os sonhos de conquista, aqueles que tinha quando criança, eu só tive um e realizei alguns anos atrás. O que veio depois disso são desejos e vontades: trabalho dos sonhos, casa dos sonhos, grana dos sonhos... tudo que for dos sonhos eu não tenho.

Durante a vida e acredito já estar chegando na metade na minha de acordo com as estatísticas, eu fui me virando, batalhando, de repente uma oportunidade apareceu eu aproveitei. Em outro momento uma chance surgiu, eu fui. Assim, o que eu tenho é um monte de experiências vividas e poucas realizações marcantes para as próximas gerações. O meu legado... é... vamos pular essa parte.

Eis o ponto, pular a parte que deve ser percorrida.

Agora é bem direto, para as pessoas que "pularam" etapas seja pela necessidade, seja por falta de grana, seja por causa da corrupção do Brasil ou até mesmo devido a distância da Terra em relação ao Sol. Você pulou, ou queimou, ou perdeu etapas importantes na sua vida, agora vou escrever pra você:

Lepo Lepo
Psirico

"Ah, eu não sei o que fazer
Duro, pé-rapado e com o salário atrasado
Ah, eu não tenho mais pra onde correr
Já fui despejado, o banco levou o meu carro

Agora vou conversar com ela
Será que ela vai me querer?
Agora vou saber a verdade
Se é dinheiro, ou amor, ou cumplicidade

Eu não tenho carro, não tenho teto
E se ficar comigo é porque gosta
Do meu rá rá rá rá rá rá rá o lepo lepo

[...]

Quem em sã consciência vai entrar numa relação dessa e esperar mais do que "lepo lepo"?
A vida no "lepo lepo" é uma delícia, quem não gosta?!

Porém, a vida do realizador de sonhos passa pelas mesmas dificuldades de nosso personagem citado na música, entretanto, existe um foco, um objetivo, existem metas e com esforço um legado será construído. 

O que sobra depois da morte é isso: legado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Pirralho

Centenas de dias haviam se passado, mas a bermuda era a mesma, jeans azul totalmente desbotada, rasgada nas coxas, o zipper não fechava mais, os bolsos furados. A camisa, essa ele evitava vestir o quanto pudesse, só tinha uma que havia roubado a poucos dias, a anterior já estava imprestável. A idade? Treze ou quatorze uma coisa assim, não fazia muita diferença, pra ele o que importava era viver o hoje. Pela manhã ficava por perto da padaria, fazia aquela cara de fome e sempre tinha alguém que dava um pãozinho, um salgadinho, uma coisinha assim. Viciado? Claro que sim. Na rua sem cheirar e sem fumar como é que vive? No semáforo ganha uns trocados mas tem que ficar esperto, não pode ficar com dinheiro graúdo, esses ele escondia lá no terreno baldio, atrás da casa abandonada dentro de uma lata, bem no canto do muro onde o mato cresceu e ficou bem alto. Pirralho, esse apelido é porque parece que não cresce, não se sabe se é genética ou desnutrição. O coitado é magro que as costelas parece…

Fora da Clausura

A clausura do pensamento retido e contido na experiência alheia e ao leo. A clausura na preguiça, no desânimo, na moleza, no sono, na mesmice indolente que prostra, esmorece e submerge no ócio. A clausura na esterilidade mental, no desprovimento de capacidade, na improdutividade intelectual, no esgotamento físico, prisão no desimaginativo. A clausura na recordação nostálgica, na tristeza, na mágoa, no rancor, na falta de liberar o perdão, na dor, na viuvez, na solidão, na orgia, no calor, no frio, na saudade, no amor, no ódio, na doença, na morte.
O que te prende?
O livramento vem pelo pensamento liberado, livre, criativo, vivido, singular ou plural, ativo, animado, trabalhado. A liberdade é fertilidade mental, prazer físico e construção sonhadora, atividade focada e firmeza. Não existe claustro quando a saudade é saciada, quando o sonho é realizado, quando o amor é sentido, a dor aliviada e a solidão é despedida.
O que te mantém livre?